La "alta" civilizacion britanica : Argentina Indymedia (( i ))
CMIargentina.indymedia.org Dijimos Nunca Más. ¿Donde está Julio López?
Quienes somos Contacto Subscripciones Calendario Donaciones Publicar
en negroen blancoen rojoayuda temas

Translate this page using Google:


Sindicacion
Sindicacion


New Global Vision
versión para imprimir - envía este articulo por e-mail

La "alta" civilizacion britanica
Por jornal - Saturday, Jan. 05, 2013 at 6:54 PM

Parece às vezes que os ingleses não conhecem sua própria história.

Nem os historiadores.

Por exemplo. Um deles, David Starkey, fez recentemente o seguinte comentário sobre um grupo de pessoas — principalmente de origem paquistanesa –acusadas de explorar sexualmente meninas menores de idade: “Eles deveriam receber aulas de história da Inglaterra para se aculturarem.”

Seria um banho de civilização, na visão de Starkey.

Bem. Invoco um personagem da história inglesa, o Duque de Wellington, para responder: “Quem acredita nisso acredita em tudo”.

Starkey, 67 anos, abertamente gay, causou espécie durante os tumultos de 2011 em Londres ao dizer que os brancos se comportaram como negros.

Bem, abaixo, sete sugestões de capítulos importantes do império britânico que poderiam ser estudados pelos paquistaneses e outros imigrantes para que aprendam a se comportar:

1) O incentivo à pirataria no século XVI, sob Elizabeth I. Os corsários ingleses eram incentivados a saquear navios estrangeiros e depois dividir o butim com a Coroa.

2) O tráfico de escravos capturados na África nos famosos navios negreiros.

3) A exploração da Jamaica para a produção de açúcar, com cujo comércio os britânicos ganharam dinheiro em dose copiosa. Eram usados escravos nas plantações, e eles trabalhavam dezoito horas por dia, de segunda a segunda. A carga era ainda maior nos períodos de colheita. Só crianças abaixo de seis anos, alguns velhos e deficientes eram poupados.

4) A prática de recrutar para a guerra tripulantes de navios tomados pela marinha inglesa, no século XVII, qualquer que fosse a nacionalidade. Isso significava que a pessoa podia guerrear compulsoriamente contra seu próprio país.

5) As Guerras do Ópio, no séxulo XIX. Nelas os ingleses impuseram aos chineses que aceitassem que o ópio produzido na Índia fosse comercializado livremente na China. Foi a maneira que os britânicos encontraram de equilibrar sua balança comercial com a China – da qual consumiam chá, seda e porcelana em altas quantidades. De quebra, os britânicos ainda ficaram com Hong Kong por mais de 100 anos e controlaram por muito tempo a principal fonte de receita da China – a alfândega.

6) A trama para derrubar o presidente eleito do Irã em 1952, Mohammed Mossadegh, porque ele queria renegociar a divisão de lucros de uma companhia angloiraniana de petróleo. “Sem o dinheiro desse petróleo não teremos como sustentar o padrão de vida dos ingleses”, disse um ministro inglês ao defender a derrubada de Mossadegh.

7) O dinheiro que a Inglaterra fez na Índia colonizada com a consequente miséria dos indianos. Charles Forbes, um inglês que passou 22 anos na Índia antes de retornar à Inglaterra para ser membro do Parlamento, disse o seguinte, em 1836. “Estamos pilhando a Índia dia após dia, ano após ano, numa dimensão horrível”. Segundo ele, em 50 anos a Inglaterra ganhou na Índia dinheiro suficiente para pagar “toda a dívida nacional”. E isso pouco depois das guerras napoleônicas, quando a dívida inglesa subiu extraordinariamente.

Poderíamos continuar, mas já temos acima um material suficiente para os imigrantes se embeberem dos ensinamentos da alta civilização britânica.


agrega un comentario


CMI Network: www.indymedia.org Africa: ambazonia canarias estrecho kenya nigeria áfrica del sur Canada: london, ontario maritimes montreal ontario ottawa quebec thunder bay vancouver victoria windsor Asia del Este: burma jakarta japón korea manila qc saint-petersburg Europa: abruzzo alacant andorra anveres armenia atenas austria barcelona belarus bélgica belgrado bristol brussels bulgaria calabria croacia chipre emilia-romagna estrecho euskal herria galiza alemania grenoble hungría irlanda estanbul italia la plana liege liguria lille linksunten lombardia londres madrid malta marseille nantes napoli holanda niza northern england noruega nottingham oost-vlaanderen c.m.i. indymedia paris/Île-de-france patras piemonte polonia portugal roma romania rusia cerdeña escocia suecia suiza torun toscana toulouse ukraine gran bretaña valencia America Latina: argentina bolivia chiapas chile chile sur brasil sucre colombia ecuador méxico peru puerto rico qollasuyu rosario santiago tijuana uruguay valparaiso venezuela Oceania: aotearoa brisbane burma darwin jakarta manila melbourne perth qc sydney Asia del Sur: india mumbai Estados Unidos: arizona arkansas asheville atlanta austin austin baltimore big muddy binghamton boston bufalo charlottesville chicago cleveland colorado columbus washington, dc hawaii houston ny capital ciudad de kansas los ángeles madison maine miami michigan milwaukee minneapolis/st. paul new hampshire nueva jersey nuevo méxico nueva orleans north carolina north texas nyc oklahoma filadelfia pittsburgh portland richmond rochester rogue valley st louis san diego san francisco bahía de san francisco santa barbara santa cruz, ca sarasota seattle tampa bay tennessee urbana-champaign vermont western mass worcester Asia del Oeste: armenia beirut israel palestina proceso: fbi/legal al día listas de correo documentación técnico voluntarios proyectos: impresos radio tv satelital video regiones: estados unidos temas: biotech

Copyleft © 2001-2014 Argentina Centro de Medios Independientes (( i )). Copyleft: Se permite la copia, distribución y uso de los contenidos de Indymedia Argentina, siempre y cuando NO se utilice con fines comerciales, a no ser que se obtenga permiso expreso del autor y en todos los casos se reconozca la autoría (poniendo como fuente https://argentina.indymedia.org ). Las opiniones o artículos vertidos por lxs visitantes o colaboradorxs en el sitio pueden no reflejar las ideas de Indymedia Argentina. Usamos software libre. sf-active v0.9.4 Descargo | Privacidad